mãe e dois filhos

Tráfico de drogas teria motivado triplo homicídio que deixou família morta em abril

Autoria dos crimes já foi elucidada pela Polícia Civil, mas os suspeitos estão foragidos

18.429
Foto: Foto: Renan Mattos (Diário)

Foto: Renan Mattos (Diário)
Fogo destruiu a casa da família no Bairro Diácono João Luiz Pozzobon

A Polícia Civil de Santa Maria já tem suspeitos para o triplo homicídio que deixou mãe e dois filhos mortos na madrugada de 20 de abril, na região leste da cidade. O incêndio criminoso, que destruiu a casa de Daniela Medianeira dos Santos, 39 anos, onde morava com os filhos Guilherme dos Santos Rodrigues, 15, e Petryck dos Santos Oliveira, 4, completa três meses na próxima segunda-feira. A motivação do crime é relacionada ao tráfico de drogas.

De acordo com o delegado Gabriel Zanella, titular da Delegacia de Homicídios e Proteção à Pessoa (DPHPP), a autoria dos crimes já foi elucidada, mas os suspeitos ainda não foram localizados para o cumprimento dos mandados de prisão. Para não atrapalhar as investigações, o número de pessoas envolvidas nos homicídios e as idades não foram divulgadas. O inquérito policial já foi concluído e remetido ao Judiciário. 

Buscas pelos bombeiros desaparecidos após incêndio continuam neste sábado

A investigação aguardava os laudos periciais para saber se a família morreu carbonizada ou se teria sido morta a tiros antes da casa ser incendiada. Entretanto, conforme a Polícia Civil, os laudos apontaram causas inconclusivas. 

O CRIME
Daniela, Guilherme e Petryck morreram após um incêndio consumir a casa onde moravam, na Rua 20, no Loteamento Dom Ivo Lorscheiter, no Bairro Diácono João Luiz Pozzobon. Mesmo com as causas da morte terem sido inconclusivas pela perícia, a polícia não descarta a hipótese da família ter sido alvejada com disparos, porque populares relataram terem ouvidos tiros antes do fogo começar. No local foi encontrado um galão de cinco litros de gasolina.

Motocicleta furtada é recuperada após denúncia anônima

Na época, Daniela cumpria pena domiciliar pelo crime de tráfico de drogas. Ela também tinha passagens pela polícia por roubo a pedestre.

INDIGNAÇÃO
No dia em que a família foi morta, a direção, os professores e os colaboradores da Escola Maria de Lourdes Castro cancelaram as atividades e se reuniram em homenagem a Petryck de apenas 4 anos, que estudava na instituição há pouco mais de um ano. "Nos questionamos muito sobre a legislação que assiste e ampara nossas crianças", disse Silvana Costabeber Guerino, diretora da escola.

CRIMES VIOLENTOS NA CIDADE
Santa Maria encerrou os primeiros 181 dias do ano com o segundo menor número de mortes violentas desde a criação da DPHPP, na cidade, em fevereiro de 2016. O total de 19 homicídios registrados neste ano, só não é menor do que o número contabilizado em 2018, quando houve 17 assassinatos. Em relação ao mesmo período do ano passado, quando 25 foram mortas, os primeiros seis meses de 2021 registraram queda de 24% nos crimes.

Internet

wpp.png