Sequestro em Santa Catarina

'Tê-la nos meus braços é a melhor coisa do mundo', conta a mãe de Fabíola

A criança de 4 anos foi sequestrada na última sexta-feira e resgatada neste domingo pela polícia catarinense

18.429
Foto: Foto: Sérgio Guimarães (divulgação)

Foto: Sérgio Guimarães (divulgação)

Eram quase 6h de domingo. As sirenes das viaturas da Polícia Civil e da Polícia Militar anunciavam que o reencontro entre mãe e filha estava cada vez mais próximo. Depois de quase três dias do sequestro de Fabíola, 4 anos, a pequena havia sido resgatada e voltava para a família sã e salva. A ansiedade tomava conta do coração da mãe, que mesmo machucada por ter sido atacada no dia do sequestro, esperava a filha com o coração cheio de esperança.

Durante a madrugada deste domingo, os policiais civis de Santa Catarina avisaram a mãe de Fabíola que já estavam com a pequena e que ela estava bem. A santa-mariense Simone Tormes Lima, 44 anos, conta que nesse momento sentiu uma alegria inexplicável, e que não via a hora de ver a filha para saber se tudo aquilo tinha acabado de verdade:

- Quando eu a peguei no colo, ela me abraçava, me beijava e dizia: "Mamãe, mamãe". Eu não queria mais soltar ela - conta a mãe, que vestia calça de abrigo, um casaco grosso e chinelos de dedo. 

VÍDEO: 'Nosso presente de Natal', relata o delegado geral sobre o resgate de Fabíola

Segundo Simone, a filha que é a mais nova de quatro filhos, perguntou por que a mãe estava com a cabeça enfaixada, e por que a mãe havia cortado o cabelo. A media foi necessária devido aos ferimentos na cabeça sofridos por Simone no dia do sequestro, quando foi atingida por uma barra de ferro e uma faca pelos sequestradores. 

- Eu não quero mais nada de Natal, ter minha filha nos meus braços novamente é a melhor coisa do mundo. Os meus filhos são as coisas mais preciosas que eu tenho - conta emocionada a mãe. 

Nicette Bruno morre aos 87 anos por complicações do coronavírus

Ao chegar em casa, Fabíola foi direto pegar os brinquedos e não desgrudava da mãe nem por um minuto. Conforme Simone, a filha é calma e adora brincar e olhar desenho no celular: 

- A psicóloga me orientou a não perguntar nada sobre o sequestro. A única coisa que ela nos falou foi que o nome deles era Maria e João e que eles brigaram. 

Sobre a motivação do sequestro, Simone suspeita que o casal queria roubar uma criança para criar como filha. Ela acredita que eles tenham escolhido Fabíola por ela ser loira, ter olhos azuis e ser parecida com a mulher que a sequestrou. 

Internet

wpp.png