Operação Shipping Box

Receita e Polícia Federal deflagram operação de combate ao tráfico internacional de drogas

Prisões e apreensões estão sendo realizadas em cinco Estados das regiões Sul e Sudeste, incluindo o Rio Grande do Sul

Foto: Fotos: Divuilgação
A lista de bens da quadrilha a serem apreendidos na operação incluem 68 veículos, 23 imóveis e duas embarcações

Fotos: Divuilgação
Lista de bens da quadrilha a serem apreendidos na operação incluem 68 veículos, 23 imóveis e duas embarcações

A Receita Federal e a Polícia Federal deflagraram, na manhã desta quinta-feira, a operação Shipping Box, visando desmantelar uma organização criminosa voltada à prática do crime de tráfico internacional de drogas por meio da remessa de cocaína pelos portos do Brasil. Mandados de prisão e busca e apreensão estão sendo realizados em 15 municípios das regiões Sul e Sudeste, incluindo o Rio Grande do Sul.

A investigação teve início após servidores da Receita realizarem a apreensão de 600,5 quilos de cocaína no Porto de Itapoá (SC), em janeiro de 2020. Após o envio das informações à Polícia Federal, iniciou-se a apuração dos responsáveis pelos envios, com a descoberta de uma organização criminosa com integrantes residentes em sua maioria na região Sul.

Durante as investigações, foram presas oito pessoas e apreendidas seis toneladas de cocaína.

Delegada faz alerta sobre golpes do cartão clonado em Santa Maria

A operação recebeu o nome Shipping Box (em inglês, caixa de transporte), numa alusão ao método de atuação da organização criminosa, que usava o sistema de despacho e entrega de drogas escondidas em contêineres.

Para embarcar a drogas, a organização criminosa contaria com apoio de funcionários dos portos para facilitar a entrada da droga. Também usava compartimentos falsos dentro de caminhões para transporte de traficantes e cargas de drogas. A quadrilha chegou a abrir empresas de logística de carregamento e transporte de contêineres para atrair a exportação de cargas lícitas que permitissem a oportunidade do embarque da cocaína.

Parte das cargas de cocaína, que eram trazidas da Bolívia, era escoada em contêineres a bordo de navios para a Europa. Outra parte abastecia facções criminosas do tráfico para consumo dentro do Brasil.

Transporte da cocaína era feito em caixas escondidas em meio a cargas normais dos contêineres de navios

OPERAÇÃO
Cerca de 250 policiais federais e 15 servidores da Receita Federal estão cumprindo, nesta quinta, 34 mandados de prisão e 50 mandados de busca e apreensão em 15 cidades nos estados de Santa Catarina, Paraná, Rio Grande do Sul, São Paulo e Rio de Janeiro.

Suspeito de participar de resgate de detento é morto em confronto com a BM

A lista de bens da quadrilha a serem apreendidos incluem 68 veículos, 23 imóveis e duas embarcações além do congelamento de mais 30 contas bancárias.

A Polícia Federal também detectou indicativos de um esquema de lavagem de dinheiro por alguns dos investigados por meio da constituição de empresas fictícias e aquisição de ativos como ouro e criptomoedas. Os investigados responderão pelos crimes de tráfico de drogas e organização criminosa cujas penas máximas somadas ultrapassam 30 anos de reclusão.

Internet

wpp.png