compra e venda de gado

Polícia Civil apreende quase 2 mil cabeças de gado em Santiago

Ação fez parte da operação Reculuta, que investiga o suposto golpe da compra e venda de gado que lesou mais de 100 pecuaristas gaúchos

18.427


Fotos: Maurício Barbosa
Policiais vistoriaram animais em busca das marcas de pecuaristas de Formigueiro que foram vítimas de Marco Gilberto Müller Becker Filho no suposto golpe da compra e venda de gado

Quase 2 mil cabeças de gado foram apreendidas pela Polícia Civil (PC) em uma nova fase da operação Reculuta, que investiga um suposto golpe da compra e venda de gado em pecuaristas gaúchos. A ação aconteceu em Santiago na manhã desta quarta-feira. O atual proprietário dos animais ficou de fiel depositário até que a Justiça determine com quem o gado vai ficar. A operação faz parte de uma investigação que apura o maior golpe da pecuária gaúcha de todos os tempos. Mais de R$ 50 milhões em bens e animais já haviam sido apreendidos pela polícia.

A operação teve o apoio de policiais de várias delegacias de Santa Maria, de fiscais da Inspetoria Veterinária da Secretaria Agricultura e foi deflagrada pela delegacia de Formigueiro, onde o golpe teria começado, e teve apoio. Os policiais foram coordenados pelo delegado Antonio Firmino de Freitas Neto e saíram ainda de madrugada rumo a Santiago, onde o mandado de busca e apreensão foi cumprido. Chegando na fazenda do pecuarista que comprou o gado de Marco Gilberto Müller Becker Filho, os policiais vistoriaram os animais em busca das marcas de gado usadas pelas vítimas que registraram ocorrência em Formigueiro.

Após tentativa de assalto, quatro são presos no Centro

Segundo o delegado, o trabalho foi dificultado devido ao pelo dos animais estar alto, mas mesmo assim deu para identificar algumas marcas de pecuaristas que haviam vendido o gado para Becker Filho. Conforme Firmino, o pecuarista santiaguense prestou depoimento como testemunha e não como suspeito e ficou como fiel depositário de 1.983 cabeças de gado. Ele não pode vender os animais e, se vender, deve prestar contas à Justiça. 

-  Nós cumprimos o mandado de busca e apreensão do gado que foi comprado pelo produtor rural e ele ficou de fiel depositário de 1.983 bois. Porque, dos 2.845 que ele teria comprado do Marco (Becker Filho), ele já teria vendido parte deles. Ele estava de boa fé. O comprador fez um negócio normal. Não sabia que havia problemas. Ele é vítima tanto quanto os outros - explica o delegado. 

A Delegacia Especializada em Crimes Rurais e Abigeato (Decrab) de Bagé também investigou o suposto golpe. O inquérito foi enviado à Justiça na última semana com o pedido de indiciamento dos quatro presos e de outros quatro suspeitos de envolvimento no golpe. Mais de 100 pecuaristas teriam registrado ocorrência em diversas cidades do Estado.


Fiscais da Inspetoria Veterinária da Secretária de Agricultura deram apoio aos policiais durante a operação de cumprimento ao mandado de busca e apreensão em Santiago

COMO FUNCIONARIA O GOLPE

- As operações Reculuta e Aramado fazem parte da investigação do suposto golpe do gado, que teria lesado pelo menos 80 pecuaristas em 14 cidades do Estado

- O principal suspeito é o atravessador Marco Gilberto Müller Becker Filho. Ele atuava há pelo menos dois anos no ramo de compra e venda de animais

- Segundo os produtores, o suspeito adquiria o gado por preço acima do valor de mercado, para pagamento a prazo, e o revenderia a preços mais baixos em remates com pagamento à vista

- Além de Becker Filho, outras três pessoas, todas corretoras de gado, foram presas até agora por suspeita de envolvimento no esquema. Um deles é um servidor público que fraudaria informações do sistema da Inspetoria Veterinária em Formigueiro

- Becker Filho está preso no Presídio Estadual de Caçapava do Sul desde 22 de junho

Internet

wpp.png