operação mar aberto

Grupo que exportava cocaína via barcos pesqueiros é desarticulado pela polícia

Os mandados de busca e apreensão foram realizados em Santa Catarina, Paraná e Espírito Santo

Taísa Medeiros
Foto: Foto: Polícia Federal

Foto: Polícia Federal

Foi deflagrada nesta terça-feira a operação Mar Aberto, com o objetivo de desarticular organização criminosa dedicada ao tráfico internacional de cocaína. Por meio da simulação de operações de pesca, os criminosos tentavam movimentar toneladas de cargas de cocaína para alto mar, de onde seriam resgatadas por embarcações estrangeiras e então levadas até países da África e Europa

Os mandados de busca e apreensão foram realizados no Estado de Santa Catarina, nas cidades de Balneário Camboriú, Camboriú, Florianópolis, Itajaí, Navegantes e São José; no Estado do Paraná, em Curitiba e Matinhos e no Estado do Espírito Santo, em Itapemirim, além de seis mandados de prisão preventiva de outros investigados. 

Polícia identifica dois motoristas envolvidos em atropelamentos

As investigações tiveram início em outubro de 2020 e identificaram a organização criminosa que se apossou de barcos de pesca industrial para transportar grandes quantias de cocaína para o exterior. A organização também contratou, em vários pontos do país, tripulações especializadas na atividade de navegação marítima para realização de longas travessias intercontinentais. 

Foto: Polícia Federal

Na ação realizada nesta terça, cerca de 100 policiais federais cumpriram 20 mandados de busca e apreensão. Ao longo de mais de um ano de investigação, a Polícia Federal identificou três barcos pesqueiros, além de operadores logísticos e gerentes operacionais em solo. As investigações apontam que, ao longo de um ano, a organização criminosa tentou exportar para os continentes africano e europeu ao menos 6,5 toneladas de cocaína. As provas que estão sendo coletadas auxiliarão na identificação dos financiadores da atividade criminosa, dentre outros eventuais participantes.

Duas pessoas são condenadas por assalto a banco com reféns e tentativa de homicídio em 2019

Todos os investigados devem responder pelos crimes de tráfico internacional e associação para o tráfico, com penas somadas de 8 a 25 anos de prisão, além da apreensão dos bens utilizados para a realização dos crimes ou adquiridos por meio destes. 

Internet

wpp.png