incêndio na boate

Definida a juíza responsável pelo processo da Kiss em Porto Alegre

Os quatro réus do caso serão julgados na Capital, mas ainda não há data

Foto: Gabriel Haesbaert (Diário)

O processo que apura a responsabilidade pelo incêndio na boate Kiss, que aconteceu em janeiro de 2013, foi distribuído por sorteio para o 2º Juizado da 1ª Vara do Júri do Foro Central de Porto Alegre. Os quatro réus tiveram o desaforamento do júri, ou seja, a transferência do julgamento Santa Maria para a Capital gaúcha.

Para quitar dívida, jovem arremessa drogas para dentro de presídio

O juizado tem como titular a Juíza de Direito Taís Culau de Barros. Os 86 volumes do processo já estão no cartório da vara, no Prédio I do Foro. O júri ainda não tem data para acontecer.

O juiz Ulysses Fonseca Louzada, de Santa Maria, era o responsável por conduzir o processo até o início deste ano. O magistrado acompanha há sete anos o processo criminal.

Estado e PRF lançam operações de reforço à fiscalização no RS

Inicialmente, o desaforamento foi concedido a três dos quatro réus - Elissandro Callegaro Spohr, Mauro Londero Hoffmann e Marcelo de Jesus dos Santos. Luciano Bonilha Leão foi o único que não manifestou interesse na troca, mas através de pedido do Ministério Público, o Tribunal de Justiça do RS determinou que ele se juntasse aos demais.

Balneários deverão ter guarda-vidas mesmo com bandeira vermelha

No processo criminal, os empresários e sócios da Boate Kiss, Elissandro e Mauro, e os músicos da Banda Gurizada Fandangueira, Marcelo e Luciano, respondem por homicídio simples (242 vezes consumado, pelo número de mortos; e 636 vezes tentado, número de feridos).


Internet

wpp.png